Templo do Céu / Temple of Heaven

天坛

O Templo do Céu é o maior complexo de templos Taoístas da China e também um dos símbolos de Beijing. Foi construído no início do século XV quando no México reinavam os Astecas e o Brasil nem aparecia no mapa mundi.

Este templo foi contruído para pedir a proteção dos céus celestial para as colheitas na Primavera e dar graças pelos frutos obtidos no Outono.

Está situado ao sul de Beijing e esta foi minha segunda tentativa de conhecê-lo. Da primeira vez em 2008 batemos com o nariz na porta pois chegamos alguns poucos minutos depois do horário de visita. Desta vez, tive medo de que o mesmo acontecesse…. e aconteceu.

Nos dividimos em dois grupos e o meu taxi fez um caminho mais comprido. Quando chegamos o templo já estava fechando. Por sorte fizemos um cambalacho e eu consegui entrar com o ingresso de um dos que estava saindo, como se estivesse “reentrando”.

O Templo do Céu em realidade é todo um parque enorme, mas a parte importante é a Sala de Orações pelas Boas Colheitas, que é onde é necessário ingresso para entrar.

Este templo é uma uma construção circular, de diâmetro de 30 metros e altura de 38 metros. Construído sobre três terraços circulares de mármore branco, o edifício ergue-se sobre 28 pilares de madeira e muros de ladrilho. Não tem nenhuma viga.

A sala tem um triplo telhado construído com telhas de cor azul e está rematado por uma bola dourada na sua cúpula. Este edifício foi destruído por um incêndio em 1899 e reconstruído no ano seguinte.

O Altar Circular ou Altar do Céu é uma construção aberta que se liga à Sala da Oração pelas Boas Colheitas mediante um caminho de pedra e ladrilhos de mais de 350 metros de comprimento. Construído em 1530, o altar consta de três terraços concêntricos rodeados de varandins de mármore branco e de vendedores de bugigangas falsificadas.

Cada lance de escadas que conduzem ao cimo do altar é formado por 9 degraus, já que os chineses consideram o número 9 como número de boa sorte. A acústica especial do lugar permite que, se alguém fala no centro do altar, o som aumente e se escute em todos os locais da sala.

Outro ponto interessante do complexo é a Abóbada Imperial Celestial (tudo na China é Celestial) que era era onde os imperadores prestavam homenagem aos seus antepassados. Trata-se de uma construção muito parecida à Sala da Oração pelas Boas Colheitas, embora de um tamanho menor: 19 metros de altura por 15,6 metros de diâmetro.

A abóbada está rodeada pelo muro do eco, uma singular construção redonda de cerca de 60 metros de diâmetro. Uma pessoa pode colocar-se em qualquer ponto do muro e a sua voz ouvir-se-á claramente no ponto oposto já que o som se transmite ao longo da superfície da parede.

Anúncios

Muralha da China

Um dos símbolos mais famosos do país mais populoso do mundo é a famosa Grande Muralha, ou Muralha da China. Vir a este país e não fazer uma visita é como ir ao Rio e não visitar o Cristo Redentor.

A Muralha da China é uma das maiores (se não a maior) construção feita pelo ser humano. Foi elaborada durante centenas de anos e se estima que 1,2 milhões de homens trabalharam nesta obra. Sua função principal era a de proteger o império chinês das invasões inimigas. Esta enorme barreira vai da fronteira do Mar Amarelo, perto da fronteira com a Coréia até o Deserto da Mongolia.

A linha vermelha é o traçado atual da Grande Muralha e a linha amarela é a fronteira com a Mongolia.

O principal ponto de visita é chamado Badaling e fica a 80 km de Beijing. É um lugar com toda a infra-estrutura necessária, desde estacionamento até restaurantes, banheiros e claro, lojas de souvenirs. Foi lá que em 2008 tiramos nossa “famosa” foto com a bandeira do Grupo Escoteiro Santos Dumont 20/PR (ver post 1 e post 2).

Desta vez queríamos ir a um lugar que não fosse turístico, algo mais “real”. Assim a visita seria mais rápida pois evitaríamos as lojinhas que só servem pra perder tempo, dinheiro e pro guia ganhar comissão. Encontramos na saída da Cidade Proibida um chinês (meio fácil encontrar um chinês na China… são só 1.2 bilhões) que ofereceu seu serviço mostrando fotos do seu micro-ônibus e de grupos de extrangeiros que ele tería levado até a muralha. Resolvemos arriscar e marcamos com o cara na manhã seguinte no nosso hotel.

Pra nossa surpresa o chinês apareceu e nos levou até a Grande Muralha. Realmente ele levou a sério a idéia de que fosse um lugar “zero turístico”. Subimos por uma escadinha de ferro toda enferrujada (quase desintegrada) e demos uma banda pela muralha.

Ponto inóspito da Muralha da China

Fazia um frio desgraçado e descobri que viajar com um grupo de mexicanos além de ser muito divertido, pode salvar a tua vida, quando você está congelando e magicamente surge uma garrafa de tequila para aquecer até aqueles que não bebem.

Congelando na Muralha da China

Lago congelado ao lado da Grande Muralha

Mais uma foto pro portfolio do nosso guia chinês.

Comidas exóticas

Tem coisas na vida que não se deve fazer duas vezes; comer escorpião é uma delas…. e eu fiz de novo.

Nesta minha segunda visita a Beijing, pouco mais de um ano depois da primeira, não pude deixar de experimentar novamente esta iguaria local.

Ao contrário do que muita gente pensa, não se comem estas porcarias em qualquer lado. É muito (mas muuuuuuito) mais fácil encontrar um McDonald’s em Beijing que uma barraquinha onde vendam escorpiões, cavalos marinhos, bicho da seda e grilos.

O lugar mais conhecido é um beco que fica na Wangfujing Street, uma rua de pedestres muito famosa e que é ponto de visita obrigatório pois está perto da Cidade Proibida e tem muitas lojas.

Mandando mais um escorpiãozinho pra dentro.

Existem várias opções, mas não deu pra experimentar todas. Acho que vou deixar uma para cada ida a China….

Beijing – A Cidade Proibida

A Cidade Proibida foi o palácio imperial da China durante quase cinco séculos. Construído entre 1406 e 1420, serviu como residência do Imperador e da sua corte em diferentes dinastias, sendo o centro cerimonial e político do governo chinês.

O título de Cidade Proibida surgiu pelo fato de que somente o Imperador, a Imperatriz, seus filhos e as centenas de amantes ou concubinas do Imperador além de seus empregados especiais tinham permissão para entrar no conjunto de prédios do maior palácio do planeta, o qual acredita-se que tinha 9.999 aposentos. Qualquer outra pessoa que ousasse atravessar seus portões sem a devida autorização era sujeita a uma execução sumária e dolorosa.

Atualmente o complexo consiste em 980 edifícios, com 8.707 aposentos e uma área de 720.000 metros quadrados. O complexo exemplifica a arquitetura palaciana tradicional chinesa, tendo exercido influências culturais e arquitetônicas na Ásia Oriental e em outras partes do mundo. A Cidade Proibida foi declarada Patrimônio Mundial da Humanidade em 1987. Seu último morador foi o Imperador Puyi, expulso em 1912 com a fundação da República da China (R.O.C.) – essa história é contada no filme “O Último Imperador”.

A visita pode durar várias horas, de acordo com o tempo e interesse do visitante. Para entrar é preciso esperar na fila e comprar o ingresso. É possível alugar um audio guia que está disponível em inúmeros idiomas. Vale a pena usá-lo pois no meio de tantos monumentos, salões e jardins fica mais fácil tendo ajuda.

 

Trono do Imperador

 

 

Alguns dos palácios dentro do palácio.

 

A vizinhança da Cidade Proibida também é muito interessante. Existem alguns jardins que eram parte da residência dos irmãos do Imperador (de acordo a um cara que conheci na Praça da Paz Celestial e me contou essa versão) e também muitos parques muito bonitos como o Jingshan de onde se tem uma interessante vista da cidade proibida e do por do sol. Outro ponto turístico que fica nesta região e é muito bonito é o famoso e milenar Parque Ben Hai.

 

Jardins ao sudoeste da Cidade Proibida.

 

 

A Cidade Proibida de um ângulo diferente, vista do Parque Jingshan.

 

Beijing 1

A capital da China é uma cidade realmente impressionante. Enorme, cheia de avenidas gigantes, de bicicletas e de contrastes.

É evidente que a cidade foi transformada nos anos que anteciparam as Olimpíadas de 2008 e o clima olímpico segue no ar. Um dos pontos turísticos que se tornou obrigatório é justamento o Parque Olímpico com seu famoso estádio do “Ninho do Pássaro” e o “Cubo de Água” onde foram realizadas as provas em piscina e que fica ao lado. Para entrar ao Estádio Nacional de Pequim (esse é o nome oficial) é preciso pagar uma taxa. Dentro além de se admirar a estrutura do estádio é possível ir na lojinha de souvenirs e existe um pequeno micro mini museu.

 

鳥巢

 

Apesar da modernidade do Parque Olímpico, na área norte da cidade, o que vale a pena mesmo visitar é o centro de Beijing, coração político do país mais populoso do mundo. A cidade inteira foi construída ao redor da famosa Praça da Paz Celestial – Tiananmen. Este lugar, que é a maior praça do mundo, ficou famoso pelo massacre de estudantes ocorrido no dia 05 de junho de 1989, que é tema proibidíssimo no China (é impossível encontrar qualquer referência ao assunto no país). Ali estão localizados vários pontos importantes como o Mausoléu do Presidente Mao Tsé Tung, o Monumento aos Heróis, o Palácio Nacional, o Museu Nacional e a entrada principal para a Cidade Proibida.

 

Praça da Paz Celestial e a famosa entrada da Cidade Proibida

 

Shanghai 2

Shanghai é uma cidade que foi reconstruida e segue sendo reconstruida a cada ano. Mesmo assim, é possível encontrar alguns tesouros antigos como o Yuyuan Garden. Este é um parque de 20 mil metros quadrados com inúmeras construções, lagos, estátuas e muitas plantas. Foi construído há mais de 400 anos por um importante governante da época para que seus pais disfrutassem de um lugar tranqüilo em seus últimos anos de vida. Vale a pena a visita.

Área comercial na entrada do Jardim Yuyuan

Uma das várias facetas do jardim.

Outro passeio que vale a pena é fazer um cruzeiro pelo Rio Huangpu, que é uma derivação do famoso Rio Yangsté. Depois do Amazonas e do Nilo (não necessariamente nesta ordem), o Yangtsé, também conhecido como o Rio Azul, é o terceiro rio mais longo do mundo. Nasce no Tibet e percorre 6.300 km até desembocar no Mar da China, exatamente onde está Shanghai. Do barco é possível ver a cidade de um ponto muito especial, pois tem-se a visão dos dois lados, a parte mais antiga com seus prédios do século XIX – Bund – e a parte moderna e coração financeiro da China – Pudong.

Bund - sede original do HSBC e o edifício da alfândega.

Pudong - A Pérola do Oriente e o Shanghai World Financial Center, o quarto edifício mais alto do mundo.

Além de pérolas da história, a maior cidade chinesa está cheia de pérolas arquitetônicas. Uma visita a um dos seus cartões postais é obrigatória – Oriental Pearl Tower, a Torre da Pérola do Oriente. No alto existe um observatório de onde se pode ter uma visão muito bacana da cidade. Sempre recomendo que esse tipo de lugar seja visitado no fim do dia pois possibilita uma visão da cidade de dia e de noite em uma única tacada.

Shanghai World Financial Center, conhecido como "abridor de garrafa".

No alto da Torre a 350 metros do chão.

Em Shanghai além de viajar com uma turma muito legal, tive a oportunidade de encontrar dois amigos do IPADE que estavam fazendo intrecâmbio no CEIBS (China-Europe International Business School).

Com Johnny, Gooda e El Tio.

Shanghai

Shanghai (ou Xangai) e’ a maior cidade da China e em sua area metropolitana vivem erca de 20 milhoes de habitantes. Esta’ localizada na foz do famoso Rio Yangtze’, no qual foi construida a maior hidroeletrica do mundo, deixando Itaipu em segundo lugar.

E’ provavelmente a cidade mais “orientalizada” ou cosmopolita da China (tirando Hong Kong). Ha alguns anos um amigo descreveu Shanghai como uma Nova York melhorada…. nao conheco Nova York (pois e’, ainda nao) mas fiquei realmente impressionado com o que vi aqui.

Os edificios modernos estao por todos os lados (dentre eles o terceiro mais alto do mundo) e as obras nao param. No proximo ano Shanghai sera sede da Expo Mundial e uma grande serie de novas construcoes e reformas esta em andamento.

A chegada em Shaghai ja impressiona. Para ir do aeroporto ate a cidade existe um trem Maglev (Magnetic Levitation) que em dias normais percorre seus 30 km em 8 minutos, chegando a pouco mais de 300 km/h.

Todos os vagoes tem um velocimetro.

Para quem gosta de historia, uma boa dica e’ o Museu de Shanghai, onde existem exibicoes de artigos de bronze, ceramica, moedas, caligrafia, carimbos, moveis e estatuas. Uma colecao bastante significativa da historia da China. O museu esta localizado no People’s Park, um lugar de acesso bastante facil.

Shanghai Museum, em forma de Din, um antigo utensilio de cozinha.

Em frente ao Museu de Shanghai esta o Museu de Urbanismo. A exposicao traz fotos da evolucao da cidade nos ultimos 100 anos (os ultimos 20 foram impressionantes) e uma maquete enorme de como devera ser Shanghai em 2020. O crescimento que esta sendo projetado e’ inacreditavel. Com certeza passei mais de meia hora admirando a maquete.

Parte da maquete de Shanghai em 2020 vista de cima.

Outra parcial da maquete de Shanghai 2020.

Fachada do Museu de Urbanismo, na People's Square.

Xi’an e os Guerreiros de Terracota

Xi’an é a capital da província de Shaanxi e foi durante várias dinastias a capital do império Chinês.

A famosa rota da seda começa em Xi’an e vai até Veneza, com ramificações também até o Egito. Marco Polo foi um dos viajantes desta rota, que aproximou o oriente e o ocidente em um tempo em que a palavra globalização não existia.

A cidade era praticamente um vilarejo mas desde a década de 90, como parte da ressurreição da economia no interior da China, a cidade de Xi’an re-emergiu como potência cultural, industrial e educacional na região centro-noroeste, com vários recursos voltados para a area de pesquisa e desenvolvimento, segurança nacional e para o programa chinês de exploração espacial.

Para o turismo, a grande atracao de Xi’an sao os Guerreiros de Terracota. Esta enorme colecao de 8.000 estatuas de soldados, oficiais e cavalos de guerra foi descoberta em 1974 por fazendeiros que estavam escavando pocos de agua. As imagens foram enterradas junto ao mausoléu do primeiro imperador chines, Qin Shihuang (259-210 a.C.) e foram descobertas a leste do monte Lishan, uma elevação de terra feita por mãos humanas e que contém a necrópole do primeiro imperador da dinastia Qin. A construção desse mausoléu começou em 246 a.C. e acredita-se que 700.000 trabalhadores e artesãos levaram 38 anos para a completar. De acordo com o historiador Sima Qian, na obra Registros do Historiador (c. 100 a.C.), o imperador foi enterrado em 210 a.C. juntamente com grandes tesouros e objetos artísticos, bem como com uma réplica do mundo onde pedras preciosas representavam os astros, pérolas os planetas e lagos de mercúrio representavam os mares. Pesquisas recentes detectaram altos índices de mercúrio no solo, comprovando o historiador.

Guerreiros de Terracota

Foto de turista - os guerreiros e eu.

 Xi’an tem tambem varios pontos turisticos interessantes, como a muralha da cidade antiga, a torre do tambor e a torre do sino (estas eram usadas para anunciar o comeco e o fim do expediente de trabalho) e 2 grandes pagodas. 

Pagoda

Foi em Xi’an que peguei a temperatura mais baixa da viagem (e acho que da minha vida): 7 graus abaixo de zero.

-7 graus... e o inverno ainda nao comecou.

Wangfujing Hostel – Albergue em Beijing

Encontrei este albergue através do site www.hostelbookers.com. Está super bem localizado e com tarifas bastante amigáveis. Uma noite em um quarto individual (banheiro coletivo) custou R$ 25,00. Existem quartos para duas ou três pessoas com banheiro dentro e também a opção de quartos coletivos, sem banheiros, para até oito pessoas, cuja noite chega a bagatela de R$ 10,00 por pessoa.

Wangfujing Hostel

O albergue é muito limpo e o staff já ganhou prêmios pelo serviço e amabilidade. Contam com o “Traveler’s Cafe”, que pode ser uma boa opção para o café da manhã ou a jantar.

O site do Wangfujing Hostel é http://www.hostelbookers.com/hostels/china/beijing/27621

Chegada em Beijing

Cheguei na capital da China após menos de 5 horas de vôos. Estive aqui há menos de 1 ano e meio, mas a paisagem agora é totalmente diferente. Tudo branco, branco, branco.

Saí de Manila com a temperatura na casa dos 30 graus e ao aterrisar o piloto nos deu as boas vindas e avisou “a temperatura em Beijing é de 2 graus”. Escutou-se em todo o avião aquele “uooooooouu”.

O primeiro impacto ao descer do avião foi claro que o frio, o segundo, a barreira de comunicação. Tudo no aeroporto está escrito em chinês e inglês, mas encontrar as coisas não é tão fácil. Tinha que tomar um ônibus até a estação de trem e foi toda uma aventura conseguir ser entendido.

Na estação de trem, nova aventura, pegar o ônibus. Eu podia ter ido de taxi, mas a graça e encarar o sistema de transporte público local era o que eu buscava (além de que custa muito menos).

Cheguei no meu albergue muito próximo a Cidade Proibida (recomendadíssimo – logo coloco os dados) e fui caminhar. Parecia turista tirando foto de tudo. Já viajei pra um bocado de lugares, mas nunca havia estado em um lugar onde estivesse nevando (na verdade a neve estava apenas no chão, tinha nevado 2 dias antes).

Encontrei a Lorena no hotel onde ela estava, no 3rd Ring North. Estive lá esperando que o programa dela terminasse e voltei ao albergue já a noite.

Boneco de neve dando as boas vindas no albergue.

Tentei atualizar o blog, mas descobri que este é mais um dos muitos sites bloqueados na China, portanto, ficará pra daqui a alguns dias.

JET LAG

O Jet lag é uma fadiga de viagem, é uma condição fisiológica que é uma consequência de alterações no ritmo circadiano, que é o período de aproximadamente um dia (24 horas) sobre o qual se baseia todo o ciclo biológico do corpo humano e de qualquer outro ser vivo, influenciado pela luz solar.

O ritmo circadiano regula todos os ritmos materiais bem como muitos dos ritmos psicológicos do corpo humano, com influência sobre, por exemplo, a digestão ou o estado de vigília, passando pelo crescimento e pela renovação das células, assim como a subida ou descida da temperatura.

O “relógio” que processa e monitoriza todos estes processos encontra-se localizado numa área cerebral denominada núcleo supraquiasmático, localizado no hipotálamo na base do cérebro e acima das glândulas pituitárias.

As alterações devido ao Jet Lag podem provocar uma mudança do trabalho do organismo. O organismo de uma pessoa está acostumado com o tempo de rotação da Terra e quando uma pessoa viaja em um avião mudando de meridiano, pode ocorrer que o dia passe mais rápido e provoque o Jet lag.

Este efeito ocorre como conseqüência de viagem através de vários fusos horários, o que se tornou comum com as viagens a jato e daí o nome em Inglês (Jet, jato; Lag, diferença de horário). Desta maneira após uma viagem passando por vários fusos horários a pessoa se sente como se o relógio interno dela (relógio biológico) não estivesse no mesmo do horário do local.

Desta maneira logo após uma viagem cruzando fusos horários há um distúrbio do sono pois a pessoa quer dormir no horário que estava habituada e não no horário local – isto denomina-se Jet Lag. Este é um tipo de Insônia pois não consegue dormir no horário que deveria.

Back home

Depois de 30 e tantas horas de viagem, chegamos em Curitiba. O vôo da AirChina foi bastante cansativo. Foram 12 horas de Beijing à Madrid, 3,5 horas de espera e outras 11 horas de vôo de Madrid até São Paulo. Mais 3 horas de espera e tomamos o vôo rumo a Curitiba.

Uma das vistas interessantes do vôo foi a do Estreito de Gibraltar, que une o Oceano Atlântico e o Mar Mediterrâneo.

Na chegada, a última foto destes 17 dias de viagem com a bandeira das Conferências Mundiais, passada de sede em sede desde Oslo (1996).

Último dia em Beijing

Em nosso último dia na China, decidimos ir às compras, tentar fazer algum negócio da China.

Claro que negócio da China é só pros chineses, mas até conseguimos comprar algumas coisas interessantes além de darmos muitas risadas. Na maioria dos lugares os produtos não tem preço ou tudo está por um valor mais alto. Entra em ação a arte da negociação. Quase sempre se consegue comprar o produto por algo ao redor de 30% a 20% do valor inicial.
A dica para as compras é o Silk Market, onde você pode encontrar de tudo e de qualquer marca, o que não me agrada muito pois obviamente tudo é pirata.

Nas fotos, uma das várias lojas de produtos nacionais e na outra o Mariovani tentando arrancar mais um brinde.

Heaven Temple


O Templo Celestial ou Templo do Paraiso e’ um dos simbolos de Beijing. Fica em um belo parque ao sul da Cidade Proibida onde alem de apreciar a area, um dos atrativos e’ ver os proprios chineses que vao la para se divertir (jogar cartas, fazer esportes, cantar, dancar, soltar pipas).

Por 8 minutos nao conseguimos entrar no templo, mas a visita ao parque valeu a pena.

O Ninho de Passaro

As vesperas dos XXIX Jogos Olimpicos, nao poderiamos nao visitar (ou na verdade tentar visitar) o novo estadio nacional, que sera o simbolo destas Olimpiadas.
Conhecido como Ninho de Passaro, o estadio foi projetado pelos arquitetos suicos Jacques Herzog e Pierre de Meuron.

A area ao redor do estadio e do complexo aquatico que fica ao lado esta totalmente interditada.
Teremos que esperar a abertura dos jogos pra ver melhor como ficou esta obra incrivel.

Em frente ao estadio, fica o edificio da foto que tem uma arquitetura impressionante.

Comida Chinesa

Não podíamos vir a China e não experimentar a famosíssima culinária local.

Há uma rua de pedestres muito bacana, com muitas lojas e restaurantes, perto do nosso hotel.

Demorei pra tomar coragem, mas aí está o resultado.

Vou tentar colocar depois o filme aqui… foi divertidíssimo.


A Grande Muralha

A Muralha da China foi eleita junto com o Cristo Redentor, uma das 7 maravilhas do mundo moderno.

A construção tem cerca de 6.000 quilômetros e servia para proteger a fronteira da China.

É sem dúvida um dos principais cartões postais do país.

Vários astronautas americanos e cosmonautas soviéticos afirmaram que ela pode ser vista do espaço. Em 2003, quando o primeiro chinês foi lá pra cima, ele disse que tentou, mas não viu nada….

Desde que começamos a pensar nessa viagem, este era o principal ponto. Viemos paramentados pra tirar a foto abaixo e valeu o esforço. Essa vai pra parede do GESD.