Festa da Candelaria

No dia 02 de fevereiro os católicos celebram em vários países latinos, inclusive na Espanha, o dia da Virgen de la Candelaria (Nossa Senhora da Luz). Esta é uma das advocações marianas mais antigas e tem sua origem em uma suposta aparição de Maria na Ilha de Tenerife, Espanha no século XV.

No México apesar da força da Igreja Católica (depois do Brasil é o segundo país no mundo com mais católicos)  a celebração tem uma importante influência das culturas pré-hispânicas pois coincide com o décimo primeiro dia do primeiro mes do antigo calendário Azteca, quando se fertejavam alguns deuses tlaloques.

A tradição é reunir os amigos e familiares para comer tamal e tomar atole, ambos derivados de milho, base da alimentação mexicana.

O tamal é muito parecido com a pamonha. A palavra vem do nahuatl (idioma dos Aztecas) e significa “enrolado”. A massa é feita de farinha de milho e pode ser recheada de carne, queijo ou vegetales (entre eles alguns tipos de pimenta, é claro). Essa massa é envolvida principalmente usando folhas de milho ou de bananeira.

Já o atole é uma bebida cujo nome, também de origem nahuatl, significa aguado (atl é agua e tol é um diminutivo despectivo). O milho é cozido de uma maneira que termina sendo um líquido viscoso. Normalmente é condimentado com chocolate, morango ou baunilha e deve ser servido muito quente.

Ontem tive duas rodadas de tamales. Uma de manhã cedo na empresa em que trabalho (todos pararam de trabalhar pra ir ao refeitório comer tamales) e a noite no Escritório Nacional Escoteiro.

Anúncios

“Perdoar, sim. Esquecer, jamais!”

No dia 27 de janeiro de 1945 as tropas soviéticas libertaram o campo de concentração de Auschwitz, na Polônia. A data marca o fim de um dos episódios mais tenebrosos da história da humanidade, na qual foram cruelmente assassinados 6 milhões de judeus além de eslavos, ciganos, homossexuais, dissidentes políticos, maçons e testemunhas de Jeová.

As  Nações Unidas através de uma resolução declararam o dia 27 de janeiro como Dia Internacional de Lembrança das Vítimas do Holocausto.  A resolução rejeita qualquer questionamento de que o Holocausto realmente ocorreu, enfatiza o dever dos Estados-membros de educar futuras gerações sobre os horrores do genocídio e condena todas as manifestações de intolerância ou violência baseadas em origem étnica ou crença.

Apesar dos anos, a dor de quem perdeu familiares ainda persiste e para que jamais volva a acontecer uma barbárie como esta é importante manter as lembranças deste evento macabro de geração em geração.

Recentemente foi inaugurado o primeiro museu do Holocausto do Brasil, localizado em Curitiba. Para quem quiser conhecer, é preciso agendar a visita. www.museudoholocausto.org.br

Em várias localidades do mundo existem excelentes museus do Holocausto, abertos a todos os que querem conhecer melhor a história e fazer uma homenagem as vítimas.

O mais importante sem dúvida é o Yad Vashem, em Jerusalém. Além de museu, é um instituto que se encarrega de reunir o maior número de informação sobre as vítimas que vivem hoje em diferentes partes do mundo. www.yadvashem.org

Em Washington também existe um museu muito bem montado, com artigos originais doados por familias judias americanas e por outras instituições européias, além de artigos do Yad Vashem.

A visita termina em uma bonita sala construida com pedras levadas de Jerusalém no qual videos de sobreviventes gravados em um projeto realizado por Steven Spielberg na época em que gravou A Lista de Schindler. www.ushmm.org

No México foi inaugurado há um ano e meio o Museu da Memória e da Tolerância. Uma boa parte é dedicada ao Holocausto Judeu, mas o museu também explora outros genocídios igualmente cruéis como o da Guatemala, Cambodia, Iugoslávia, Ruanda e Dafur (Sudão). Ao final, vem a parte da Tolerância que trata desde os Direitos Humanos até questões do dia a dia como o respeito no trânsito e bullyng. www.memoriaytolerancia.org

Feliz Dia Internacional do Voluntário

A todos nós que dedicamos nosso tempo ao próximo, parabéns!

A Primeira Dama, os Escoteiros e Voluntários

Para comemorar o Dia Internacional do Voluntário (05 de dezembro) é entregue anualmente no México o “Premio Nacional de Acción Voluntaria y Solidaria“. Este prêmio reconhece organizações e indivíduos que se destacam na ajuda ao próximo.

Este ano como parte das comemorações em homenagem aos voluntários foi emitido um bilhete de lotería e o sorteio do mesmo foi um evento especial. Nesta ocasião, diferentes organizações de voluntários foram convidados para um evento solene no qual participaram a Sra. Margarita Zavala, Primeira Dama do México e Presidente do Conselho do Sistema Nacional de Desenvolvimento Integral da Familia (DIF) e o Sr. Salomón Chertorivski Woldenberg, Ministro da Saúde, além do Presidente da Loteria Nacional e outras autoridades.

Bilhete de Lotería comemorativo ao Dia do Voluntário

Durante o discurso a Primeira Dama Margarita Zavala agradeceu o trabalho dos voluntários e disse “Cada um de nós aprendeu a ser voluntário de alguma maneira. Muitos aprenderam com os seus pais. No meu caso, aprendi a ser voluntaria com as Bandeirantes e os Escoteiros e fico feliz em ver que nesta noite os Escoteiros estão aqui representados por sua Escoteira-Chefe Lorena Gudiño“.

Primeira Dama Margarita Zavala em seu discurso

Foi muito bacana pois não só os Escoteiros, junto com as Bandeirantes, foram as únicas organizações mencionadas no discurso da Primeira Dama, como a Lorena foi a única pessoa citada.

O Ministro da Saúde no seu discurso comentou que também fez parte de um movimento ao estilo do Escotismo onde aprendeu a ser um bom líder. Ao final do evento tive a oportunidade de perguntar ao Ministro se ele havia sido da Hashomer Hatzair e ele sorriu e disse que foi do Macabi Hatzair (pelo nome e sobrenomes minhas possibilidades de erro eram poucas).

A Primeira Dama cumprimenta a Jefa Scout Nacional.

Curiosidade: Distintivo de Promessa do Macabi Hatzair com o Sinal Escoteiro e a frase em hebraico "Forte e Valente"

Outro momento interessante do evento foi o sorteio propriamente dito. Uma tradição muito bonita da Loteria Nacional do México é que o sorteio é feito por crianças; nenhum adulto pode tocar o globo e as bolinhas do sorteio pois as crianças simbolizam pureza e transparência. A tradição começou há 240 anos e no inicio eram meninos órfãos que com sua “mão santa” davam sorte aos apostadores. As crianças que participam desta equipe são conhecidas como “Niños Gritones” pois gritam os números (e é preciso bastante fôlego). Todas tem entre 8 e 15 anos, são treinados por 3 meses antes de começar e devem ter sempre boas notas na escola pra poder continuar. Para que mais crianças tenham oportunidade de ser parte dos “Niños Gritones” elas não podem permanecer no grupo por mais de 5 anos. Os sorteios são realizados 4 vezes por semana no emblemático edificio da Loteria Nacional, no cruzamento do Paseo de la Reforma e Avenida Juárez.

Mărțișor Ferici / Feliz Primavera

Nestes primeiros dias de março um bonito costume da Romênia é presentear as pessoas queridas com um “martisor”. Existem registros arqueológicos de que esta tradição existe há mais de 8.000 anos. Não sou tão antigo mas desde que me entendo por gente lembro que minha avó e depois meus primos nos mandavam os “martisori” nesta época do ano.

O “martisor” é feito com fios de lã vermelhos e brancos com pedrinhas ou outros adornos pendurados que se usa como enfeite na roupa e que originalmente eram usados no pescoço.

As cores representavam a dualidade do cosmos (presente em todas as culturas): a energia femenina em vermelho e a masculina em branco. Também todos os pólos opostos da natureza: guerra e paz, frio e calor, etc. Podem ser entendidas como as duas energias que formam o universo e determinam um novo ciclo, também conhecidas por ying-yang. Tomando em conta que  há 8.000 anos a sociedade era matriarcal e a energia femenina se encontrava em todas as suas formas. Por exemplo, as energias superiores que atuavam na agricultura eram considerados aspectos femeninos de deus e se venerava a deusa da terra que era associada a cerâmica, ao artesanato, a pintura, ao plantio, a colheita, a nutrição e a procriação. Os ritos à deusa eram importantes antes do plantio e da chegada da primavera.

O martisor era parte de um ritual relacionado diretamente com o novo ciclo e com a agricultura. Com a vida e a fertilidade representada pela cor vermelha (cor do sangue, do fogo, da paixão) e com a morte e o inverno representeado pela cor branca (cor da neve, da água, das nuvens). Se tratava de uma celebração à primavera, na qual se orava e se sacrificava um animal. As cores das pedrinhas do martisor simbolizavam as energias opostas do cosmos. Os fios de lã entrelaçados representavam a passagem de um estado ao outro e a armonia que existe na fusão entre duas energias opostas. Como o frio com o calor que dão passagem a primavera ou como a chuva e o sol (água e fogo) que trazem consigo o arco iris.

As duas cores representavam também a continuação da vida depois da morte e ainda podem ser vistos nos costumes da Romênia como as vestimentas das moças recém casadas e nas cerimônias de nascimento e enterros. A deusa relacionada com o ritual do “martisor” era Baba Dochia que tinha sua origem no culto à Grande Mãe. O período entre 01 e 09 de março é chamado de “dias das idosas” (zilele babelor). Nestes dias se crê que Baba Dochia aparece e então a primavera luta com o inverno até vencê-lo. Por isso se invocava e celebrava a energia femenina regeneradora que entra em jogo nesta época do ano colocando tudo em movimento e criando a transformação. A Grande Mãe, “Magna Mater”, “Cybele” ou “Pachamama” é a única imagem divina representada nas mais antigas figuras e pinturas da humanidade (10.000 a.e.c.). Seguramente é por isso que o “martisor” é dado principalmente para as mulheres. Os “martisori” eram e são dados de presente durante o mesmo período de “babele” e pode ser que também se tratava de representar (no ritual) a passagem do inverno para a seguinte estação (com o homem dando o martisor à mulher).

O nome “martisor” vem do nome do mes de março (martie) e do deus romano da primavera, da agricultura e da guerra, Marte. Este é um deus masculino e isso somado a transformação da sociedade em patriarcal e à proibição ao culto às deusas femeninas na época do primeiro imperador romano cristão levaram a uma certa distorção dos costumes originais.

Hoje o costume de presentear os familiares e amigos (principalmente mulheres) com o “martisor” continua em toda a Romênia e também em países próximos como a Moldavia, Macedônia, Albania e Bulgaria.

Vejam neste video outros detalhes interessantes desta celebração milenar.

"Mărțișor Fericit" ou Feliz Primavera!

Boas Festas

Para desejar um Feliz Natal aos que comemoram esta data, e já aproveitar para desejar um Feliz Ano Novo para quem considera que o ano termina dia 31/12, coloco aqui as mensagens da Organização Mundial do Movimento Escoteiro, da Região Interamericana e dos Escoteiros do Brasil.

 

Mensagem da DEN.
“Cheguei à conclusão de que não importa muito se uma pessoa tem ou não uma crença religiosa. Muito mais importante é que ela seja uma boa pessoa”.
(Sua Santidade, o Dalai-Lama, líder espiritual de uma das maiores religiões do nosso planeta, em “Uma ética para o novo milênio”). 

Como diz o próprio Dalai-Lama, “Estas declarações podem parecer estranhas, vindas de um personagem religioso. Porém, sou tibetano antes de ser Dalai-Lama, e sou humano antes de ser tibetano. Portanto, como ser humano tenho uma responsabilidade muito maior – uma responsabilidade que na verdade todos nós temos”.

Por isso, se cada um de nós procurar ser uma boa pessoa em 2011, sem dúvida o Ano Novo será muito melhor.

Aliás, devemos procurar fazer o bem a todo instante, pois só existem dois dias do ano em que nada pode ser feito. Um se chama ontem e o outro se chama amanhã. Sobre esse ponto, também perguntaram ao Dalai-Lama…

“O que mais te surpreende na Humanidade?”

E ele respondeu:

“Os próprios seres humanos… Porque perdem a saúde para juntar dinheiro, depois perdem dinheiro para recuperar a saúde.
E por pensarem ansiosamente no futuro, esquecem do presente de tal forma que acabam por não viver nem o presente nem o futuro.
E vivem como se nunca fossem morrer…
…e morrem como se nunca tivessem vivido.”

Seja uma boa pessoa em 2011, faça e pratique o bem a todo instante – e seja feliz.

São os votos da Direção Nacional da UEB.

Haloween

O Haloween ou Dia das Bruxas tem diferentes explicações históricas. Uma delas trata da origem na celebração celta do fim do verão. Era um momento do ano no qual se acreditava que os seres que habitavam o Infra-mundo ou o Submundo podiam voltar para o nosso mundo. Por isso, as pessoas se disfarçavam de monstros para que os verdadeiros monstros se confundissem e não lhes causassem problemas.

Com o tempo e a mescla de culturas a festa ganhou relação com a noite anterior ao dia 01 de novembro, no qual os católicos celebram o Dia de Todos os Santos. O nome Haloween é uma evolução da expressão Halow Evening (literalmente Noite Consagrada).

Por questões históricas, os países nos quais a tradição do Haloween é mais forte são a Irlanda, Escócia, Canadá e Estados Unidos.

Aqui no México, pela proximidade com os EUA, a tradição se permeou na cultura popular nos últimos anos e há uma mistura muito grande com a famosa celebração do Dia dos Mortos que ocorre no dia 02 de novembro.
Muita gente aproveita o dia 31 de outubro (ou próximo da data) para comemorar.

Ontem com alguns amigos fizemos uma festa, na qual o tema era “Ángeles y Demónios”. Para entrar na festa (em teoria) todos deveriam estar fantasiados de anjo ou demônio. Fiz uma fantasia de Ángel, nome de um dos meus melhores amigos aqui.

Ángel y Ángel

Dia da Terra

O Dia da Terra foi criado em 22 de abril de 1990, pelo Senador norte-americano Gaylord Nelson, durante um protesto contra a poluição e degradação ambiental. Mais de 20 milhões de pessoas nos Estados Unidos aderiram, resultando na criação da “Environmental Protection Agency” (Agência de Proteção Ambiental).

O Dia da Terra passou, então a ser adotado em vários países, tornando-se um importante evento de solidariedade, visando, através de atitudes verdes, mudanças de comportamento, conscientização, reflexão e compromisso com o planeta.

O Dia da Terra simboliza os valores humanos, espirituais e naturais, já que os problemas de nosso ambiente implicam fatores sociais, econômicos e éticos, de que somos todos co-responsáveis.

Fonte: www.mundoverde.com.br

Yom Hashoá


Yom HaShoá ( יום השואה yom hash-sho’āh), ou “Dia da Lembrança do Holocausto”, ocorre no dia 27 de Nissan no calendário hebraico. Este dia é lembrado anualmente como dia de recordação das vítimas do Holocausto, sendo feriado nacional em Israel.
Originalmente, a data proposta para esta comemoração foi o dia 15 de Nissan, aniversário da revolta do gueto de
Varsóvia ( 19 de Abril de 1943), mas esta proposta foi rejeitada devido ao fato de coincidir com o primeiro dia de Pessach. O dia 27 foi escolhido por ser oito dias ante da comemoração de Yom Ha’atzma’ut, ou Dia da Independência de Israel. O Yom HaShoá foi estabelecido em 1959 como lei em Israel e aprovado por David Ben-Gurion e Yitzhak Ben-Zvi.
Às 10:00 horas do Yom HaShoá, as sirenes aéreas soam por dois minutos. Os veículos de transporte públicos param por este período e as pessoas permanecem em silêncio. Durante o Yom HaShoá, estabelecimentos públicos são fechados, a televisão e rádio transmitem canções e documentários sobre o
Holocausto e todas as bandeiras são hasteadas à meio-mastro.